ONU diz que Maconha não é Droga

Gostou desse artigo? Compartilhe..

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram

ONU reconhece maconha como medicinal e retira planta da lista de drogas perigosas.

A planta, também conhecida como Cannabis será removida do Anexo IV da Convenção Única de Entorpecentes – onde esteve por 60 anos, ao lado de substâncias perigosas e altamente viciantes como a heroína

🚫 Não é Droga 🚫

Onu diz que Maconha não é Droga

Comissão de Narcóticos das Nações Unidas aprovou nesta quarta-feira (02) recomendações da Organização Mundial da Saúde para a Cannabis. A mais importante delas foi a remoção dos produtos medicinais derivados da maconha da categoria das drogas mais perigosas do mundo, como a heroína. Após figurar na lista por 60 anos, a decisão poderá abrir caminho para mais pesquisas com a maconha para uso médico e venda de produtos mais livres no mercado internacional.

1. Comissão de Entorpecentes da ONU.

A Comissão de Entorpecentes inclui 53 estados membros, entre eles o Brasil, que votou contra todas as recomendações da OMS. Porém o voto foi vencido pela maioria das nações numa votação apertada: 27×25 e uma abstenção. Os países votaram uma série de recomendações da OMS sobre a reclassificação da Cannabis e seus derivados. Mas a atenção ficou em torno da remoção da Cannabis do Anexo IV da Convenção Única sobre Entorpecentes de 1961 – onde estava até agora, ao lado de opióides perigosos e altamente viciantes como a heroína.

2. Classificação.

“Agora a maconha está classificada junto com a morfina – há ao menos a possibilidade de uso terapêutico – na lista I da ONU. Não é ideal, mas considerando a velocidade de bicho-preguiça dos organismos internacionais, foi uma vitória a ser celebrada”, comemorou o psiquiatra Dr. Luis Fernando Tofoli, Pesquisador sobre políticas de drogas e psicodélicos.

Já o advogado Rodrigo Mesquita, da comissão de assuntos regulatórios da OAB, foi além: “definitivamente a Comissão de Narcóticos da ONU reconhece, ainda que de modo tácito, a utilidade medicinal da planta. O impacto regulatório disso é gigantesco”.

3. Voto do Brasil.

O governo brasileiro, que fez campanha contra a mudança, chegou a dizer que a medida era uma “estratégia comunista de poder“. Mas como resultado da votação, China, Rússia, Cuba e outras ditaduras votaram contra. A vitória veio pelas democracias ocidentais, como Austrália, EUA, México, Canadá, Uruguai e os países da União Europeia.

Decisão não interfere no poder dos países em estabelecerem suas próprias regras e leis sobre a planta.

FONTES:

 New York Times e do Marijuana Business Daily

Imagem: Marcelo Godinho

Site: Estratégias do Alzheimer

Política de uso

A reprodução de matérias, fotografias e imagens é livre mediante a citação do site “Estratégias do Alzheimer https://estrategiasdoalzheimer.com.br/”, bem como, dos autores do texto, das fotos e imagens. 

Deixe seu comentário construtivo...

Leia Mais

Se Inscreva!

Deixe uma Mensagem.

[contact-form-7 404 "Not Found"]